Avançar para o conteúdo principal

A Árvore que Plantei



A Árvore que Plantei


Tal como aquela árvore - Eu sou
Faz muito tempo que perto a plantei
Tanto cresceu – Como ficou frondosa!
Muita sombra deu – Nunca parou
Conforto oferecido - Nunca imaginei
Que, por ser tão grande, era famosa

Foi engrossando, tal como eu
Através dos tempos continuando
Nas quatro estações que atravessava
Com raízes profundas se fortaleceu
Pouco recebeu, do muito que foi dando
Tão natural que era, pouco se reparava

Os ramos foram com o tempo mirrando
As folhas em breve neles duravam
A sombra benfazeja, já, não se espalha
Cores de cobre algumas, cedo iam ficando
Antes do tempo muito breve caducavam
Poucos reparavam no que já era uma falha

Hoje permanece solitária, de todo despida
Na mesma postura de forma vertical
Sem utilidade nem beleza de outrora
A árvore tão grande, de folhagem despida
Permanece, agora, o tronco, até ao dia final
Que alguém dali o retire e o mande embora!




Hélder Gonçalves
Outubro 2016









Mensagens populares deste blogue

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de solidões vis. Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬