Avançar para o conteúdo principal

A Sala Do Tempo Parado - Lançamento 2016

                        Sala de espera – Dia 1


Decorreu uma semana quando Francisca ouvia da boca da médica o resultado dos exames e da biópsia - Um tumor estava bem demarcado e de características altamente agressivas. Começara, ali, nesse mesmo momento, o seu calvário!
Foi-lhe aconselhada uma sequência de tratamentos mais adequados e já provados nas características do episódio em questão – Sessões de quimioterapia, erradicação do tumor e, finalmente, uma “limpeza” na aplicação de radioterapia.





Francisca absorveu esta notícia estoicamente. Depois de noites com horríveis insonias, mergulhada em dúvidas e terríveis pensamentos. Agora confrontada com a dura realidade, uma paz surpreendente tomou conta do seu ser, dando lugar a uma atitude instintiva de sobrevivência. Não era altura de “atirar a toalha ao chão” – Ia lutar com todas as forças contra a terrível doença. Aceitou disciplinarmente os conselhos da médica nas etapas a seguir para combater o mal. Nessa mesma noite informou, finalmente, o seu estado de saúde à filha. Serenamente e sem drama preparou o breve discurso para o momento. Ana, assim se chamava, escutou de olhos arregalados ficando completamente atónita – depois de um breve e doloroso silêncio, rompeu num pranto inusitado, abraçando a mãe sentidamente. Foi esta, ironicamente, a ter de a consolar, afirmando-lhe que tudo iria correr bem! Era uma promessa que lhe fazia - Iria lutar com todas as suas forças! Precisava mais que nunca do apoio dela e de todos os amigos! Não mais queria ouvir fosse o que fosse a partir deste momento sobre a doença que tomara posse dela, no momento em que tudo corria tão bem na sua vida.
Passado algum tempo, Francisca preparava-se para atravessar o deserto. Resolveu com antecipação rapar o cabelo - Quando se tem um rosto bonito, tal decisão não comprometerá a beleza do mesmo, por vezes sucede até o contrário - empresta-lhe um ar exótico!
Foi então iniciada a administração de quimioterapia com as características consequências colaterais, algumas delas bem devastadoras – constante enjoo, vómitos dores no corpo e a demolidora queda de cabelo. Esta ultima poderá ser, entretanto, atenuada, com o corte antecipado, poupando assim, o traumático acompanhamento de um visual diário, rapidamente, a degradar-se.


Pequeno enxerto do capitulo 01 do livro: A Sala Do Tempo Parado do Autor: Helder Gonçalves
no prelo para 2016.

Mensagens populares deste blogue

O Poema que não consegui escrever

Para Ti, o que podia ser um Poema
Para Ti e por Ti, tento ser poeta. Mas, nessa vã tentativa, tolamente só alcanço voar em asas infinitas,
seguindo para além do eterno, respirando ao som de lágrimas protegidas pela esperança: De mais um abraço apertado e mais um longo e doce beijo Sabe... Gostava de ser Poeta como Tu, somente para ter o poder de falar do meu coração direitinho apontado ao teu, mas a minha tentativa é tão tola - Pois sei que esse meu escrever de poeta nada tem, além de seguir em dor pela constância da madrugada, tecendo dentro do meu coração o mais perfeito da tua alma amada num receio de perder o fio do que em mim parece ser inteligência.
Porque amando-te meu Anjo, eu...queria ser poeta singela como as flores, Cálida como o amanhecer, terna como o teu sorriso. Porém terei de enfrentar a dura realidade aceitando contente, como uma pobre agradecida, a escassa esmola em aqui, ficar - Sentindo-te, olhando-te  apaixonada, entregue ao deleite do encanto e à saudade que sempre mo…

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬