Avançar para o conteúdo principal

Quando Conseguirá Livrar-se Da Opressão? By Patrícia Pinna





Quando conseguirá livrar-se da opressão
Que vem em forma do sagrado, o que dá amor
Mas em seu torpor insano cobra em dissabor?

Quando conseguirá arrebentar as correntes
Emocionais que o prendem ferindo a alma?
Quando poderá respirar um ar puro
Sem mudar a geografia como fuga?

Alma em desespero, oprimida num tom ligeiro
Dividido fica em partes tão desiguais não conseguindo
Juntar os pedaços e dar uma forma diferente ao viver

Tentou, conseguiu e retrocedeu, triste alma
Vivente em mundo de ilusão, tão frio
Onde o chão não é de concreto e sim lágrimas
E o calor que vem delas o aquece um pouco
Mas são nelas mesmo que afundam o olhar
E o pensamento voa e não consegue lutar

Alma tão oprimida, dorida, destinada a ser infeliz
Crendo que seus dias serão iguais, que não tem direito
De vivenciar a felicidade, o amor tão intenso oferecido
Mudando com a pouca força que tem o curso dessa diretriz


Seja feliz, assim foi escolhido pelo Universo
Para seus olhos brilharem, a sua fala suave
Ter vez, a sua luz irradiar os corações
A sua mensagem ser passada com graça
Sendo amado e amar como os pássaros
Sempre livres, voando pelo mais lindo
E infinito céu, seja ele de que cor estiver!

                                                                            Patrícia Pinna



Mensagens populares deste blogue

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de solidões vis. Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬