.

Música de fundo



segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Nação Em Prantos by Patrícia Pinna




Não apetece-me falar da classe dominante
Engolindo sem pudor o honesto trabalhador
Que em seu labor diário, entre lágrimas e suor
Pensa em sua sorte mudar, esperando surgir alguém
Com a consciência decente, a fim de governar
Sem deixar-se manipular

Eu choro, tu choras, ele chora, nós choramos, todos choram
Ao ver essa calamidade vergonhosa de trem desgovernado
Chamada política sem responsabilidade

Onde foi parar a decência, em qual estação refugiou-se
O bem comum, em que leito prostrado está a esperança?

Imunda escória vomitando falácias, engravidando ingênuos
Parindo aberrações!
Que sorte é essa da nação inteira
Clamando por justiça num labirinto de dor
Onde a força parece esvair-se?

Renovo como energia e conscientização é do que o povo precisa
Para unir-se a lutar como animais ferozes lutam 
Pela sobrevivência de suas crias

Voz sem ação morre sem atingir o objetivo
Tornar a Pátria coesa e liberta
De seus muitos grilhões!

                                                                              Patrícia Pinna