Avançar para o conteúdo principal

ALFAMA - Fados, Sonhos & Saudade Autor Hélder Gonçalves




Parte de um trecho do livro Alfama


Henrique fora abordado, em determinado momento, por um colega de trabalho que ele bem conhecia e simpatizava pela sua sobriedade – O Augusto. Era um homem muito reservado, de poucas palavras. Um dia, quando estavam nos balneários, perguntou-lhe se ele estava disponível, nessa noite para dar um salto até à “Voz do Operário”- precisava de falar com ele.
-Quero falar contigo, de forma a não termos qualquer pessoa, por perto, a dar fé daquilo que vou-te dizer.
-Henrique ficou numa atitude expectante
-Há algum problema com a oficina retorquiu por fim, Henrique, pensativo.
-Não, - está descansado que é um assunto fora da área direta de trabalho – não fiques preocupado, pois asseguro-te que não é caso para tal. – Logo verás!
Depois despediu-se dizendo-lhe, em confirmação – Então, até logo às nove horas.
Henrique, a caminho de casa transportando a sua lancheira de fole, onde levava o almoço, fato de macaco, e o tal boné deformado, ia cogitando sobre o que Augusto “sisudo” (era a alcunha) - lhe queria dizer. Estava morto de curiosidade, mas, também, de alguma ansiedade.
Logo, depois da rotina, que seguia, quando chegava a casa, sentou-se no banco da cozinha observando a mãe aprontando o jantar, até lhe perguntar:
-Que está fazendo para o jantar minha mãe?
-Olha, filho, uma sopa de feijão encarnado. Como conduto, fritei besugos e fiz arroz de tomate e pimento.
-Oh mãe digo-te que estou cheio de fome.

-Vai ao armário, corta rodelas de chouriço, mete numa bucha, e come com azeitonas. -Sempre dá para te entreteres até o jantar estar pronto. Esperamos pela tua irmã que não tarda – os velhotes já comeram e já se enfiaram no quarto. Os teus avós, já sabes como são – café, pão, peixe frito, vinho e azeitonas, mais vinho do que pão e, lá vão, um e outro praguejando por isto e por aquilo, para o quarto, – cada vez estão mais velhotes. - O teu avô está mais corcunda pela constante posição de estar sentado e curvado sobre os cestos. É a vida meu filho! - Temos de ter paciência, terminou, resignada, abanando a cabeça.




Mensagens populares deste blogue

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de solidões vis. Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬