Avançar para o conteúdo principal

Doença e Cura by Patrícia Pinna



Numa covardia indecente
A doença invadiu a mente
Contaminou o coração
Debilitou o corpo

Instalou-se de repente
Vitimando seus portadores
Na vigente ignorância
Não percebendo a lentidão
Consumindo tantos ideais
Acabando com qualquer paz

Os medos vêm fatalmente
Sem entendermos as suas razões
Nefastas reações inconscientes
Resultantes do mal que assola
Brevemente consumindo todas as horas

A cura para a doença
É uma questão em aberto
Talvez os doentes tornem-se conscientes
Conseguindo enxergar a necessidade
De tomarem o remédio
Na esperança de sararem
Encarando de frente as fraquezas
Crendo um dia serem suas luzes acesas!

                                                                      Patrícia Pinna
                                                           Redescobrindo a Alma




                        

Mensagens populares deste blogue

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de solidões vis. Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬