Avançar para o conteúdo principal

Quando morrer... by Rosa Maria

                                                 
Vistam-me de poesia...espalhem as minhas cinzas num roseiral
Declamem poemas de amor...não me chorem...apenas sorriam
Na minha campa não me deixem flores...deixem só um olhar
Na lápide escrevam apenas..aqui jaz aquela que há muito partiu

Não me lamentem quando for...deixem-me partir em silêncio
Deixem-me ir vagando no vento...deixem-me ir...docemente
Fechem-me os olhos com carinho e perfumem-me de incenso
Guardem o meu rosto e o meu nome na memória eternamente

Quando eu já tiver desaparecido nas noites brancas do além
E vagar num céu sem nuvens...cantem uma melodia de amor
Recitem-me um poema...não me chorem...não sou ninguém
Fui apenas uma sombra que pela vida passou vestida de dor

No tempo...além do tempo...flutua um corpo que foi vida
Deixem repousar os meus restos...no manto eterno da dor
Guardem na lembrança...a rosa vermelha...a roseira florida
Na minha campa...deixem um adeus...um poema de amor

Fui um sopro que passou...uma sombra...uma alma errante
Visto o roxo da morte...o meu rosto está frio...não o acordem
Serena como as rosas...te chamo eternidade...minha amante
Voando pelo infinito...vai meu corpo...morto antes da morte

Quando morrer...quero que me deixem nas mãos uma rosa
Não me chorem...digam-me adeus sem tristeza...não é o fim...
Pintem meus lábios de vermelho...vistam-me seda vaporosa
Levem-me para a minha planície...quero regressar a mim

Escrito por : Rosa Maria
                                   

Mensagens populares deste blogue

SP – Sindicato dos Pobres

Hoje inscrevi-me no Sindicato dos Pobres
E dos Sem-Abrigo – Todos que sobrevivem
Na terra dos Párias – País da Democracia
Sem direito a voto – Cidadãos menos nobres
Contra o Estado - Patrões que tudo decidem
Luta pela melhoria da esmola – Ordem do Dia!
Quero memorizar a Carta dos Direitos Humanos
Aprender bem o significado da palavra Hipocrisia
Que direitos poderia ter se a Justiça funcionasse
Parlamento, Deputados - Tempo dos Romanos
Aqueles que se servem e aproveitam da Democracia
O vil dinheiro – Uma força que tudo isto alterasse.
Quero ir para a rua, descalço – esfarrapado
Com a plebe esfomeada e esquecida protestar
Cartazes - Palavras de ordem – Quanto baste
Punhos cerrados – Gritar, gritar não ficar calado
Contra os Algozes – Os Pilatos, a não quererem mudar
A riqueza, o conforto - Que deles jamais se afaste!


Hélder Gonçalves
Agosto 2016


Comentários João Francisco Lima Santos Bom dia!🌅
Helder Fernando Gonçalves BOM DIA a todos os sindicalistas do SP (Rsos!)
João Francisco Lim…

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!