.

Música de fundo



quarta-feira, 9 de julho de 2014

Mudas Metáforas! by Patrícia Pinna

Nem sempre as metáforas verbalizam, soam
O que pretendo passar nas linhas da poesia
Elas são livres, independentes e voam
Em céus límpidos e donas de si, sem parceria

Percebo que a mim não pertencem, possuem vida
São emprestadas num generoso momento
Fértil da criação em várias mãos, não rejeito
Montam versos com significados compreendidos
E incompreendidos na diversidade da alma, aquecidos

Sorvo suas intenções de forma subserviente
É a minha digital de naturalidade proveniente
Vez em quando ofuscada em sua solidão
Lugar de encontro refletindo sobre a existência
Desfazendo-se os nós de preocupante tensão

Quero limpar a minha mente

Aliviar, tornar virgem a retina
Esvaziar a pretensão em surdina
De qualquer coisa desconexa e indiferente

Estou na teia presa da invisibilidade, amargor

Já passei da tenra idade, contudo, sinto nas palavras
O amor possuidor de linda habilidade, estradas
Acalentando meu próprio eu desertor!

                                                    Patrícia Pinna

                                           Redescobrindo a Alma