Avançar para o conteúdo principal

São de sangue os meus poemas...by Rosa Maria

                                                     
       
Da cor dos meus poemas é o meu sangue...negro como a noite
Que me queima como brasa ...que me rasga a carne em ferida
Esse punhal com que me escrevo...aguçado e frio como a morte
Nesta ferida tão funda...derramada em cada palavra sem vida

Nos meus poemas há uma sede de vida...uma fome de infinito
Um desejo de eternidade...como lâmina de silêncio que me fere
Nesta dor surda com que apunhalei a verdade com que minto
Neste rosto que se cobriu de cinzas...neste amor que sabe a fel

Nos meus poemas há um grito que vem do coração...tão dorido
Como quem escreve na pedra dura...como quem morre em vão
Como quem chama por mim...fazendo das palavras um gemido
Quando no branco da folha...derramo a minha dor em oração

Nos meus versos há uma palavra intangível...a palavra amor
Que queria embalar nos meus braços e guardar no meu peito
Mas há um lugar sombrio onde apenas perdura a palavra dor
Que canto nos meus versos...como um negro amor perfeito

Nos meus versos ecôa um pedido de silêncio...num grito mudo
Vindo do fundo do tempo...escorrendo-me da mão em desalento
Nos versos tristes e amargurados que docemente grito ao mundo
Mágoas que vou escrevendo na folha que se vestiu de cinzento

Há nos meus versos estranhas melodias...sorrisos amordaçados
Moradas de silêncio na noite escura onde me deito e adormeço
Sonhando que sou menina e os meus sonhos não foram rasgados
Pelo punhal com que me escrevo na folha branca onde anoiteço

Escrito por : Rosa Maria

                                                           
                                       rosasolidao.blogspot.pt/
                                                                   
                  
                                             

                                                           

Mensagens populares deste blogue

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!