.

Música de fundo



domingo, 13 de abril de 2014

Versos clandestinos




Um casulo de cores e sombras me assombra.
Toca minha pele.
Repele a vasta solidão que já não me castra.
Descortina-me a carne da alma e vagarosamente me assalta em imensos véus.
As mãos me arranham - labaredas acesas em criptar lento que incendeia o vazio.
Sou deusa banida do Olimpo.
Nas noites frias, colho lírios, depois embarco em imensos navios.
Atravesso oceanos de sonhos e de devaneios.
Não há receios de que serei ancorada na tua Ilha de Silêncio.
Habitarei tuas praias como luz invisível.
Serei a claridade dos teus dias de insensatez...

Malu Silva