.

Música de fundo



quarta-feira, 5 de março de 2014

Subtil Blasé por Ronilda David



Eu não confio é naqueles subtis, que habitam em mim...
Escondem-se em meus porões mais obscuros,
desconhecidamente familiares.
De lá, por mais atenta que esteja eu:
-Olha que os desalmados, de vez enquanto arrastam
suas correntes, assombram-me de tal forma desprevenida
que por vezes... Vejo-me fora do ar.
Sem prumo,numa confusão de limbos e brumas.
Falo,faço,calo,desfaço, uma ciranda bêbada delas,
de trafolhices bipolares.
Sem querer o jogo miserável continua,dentro de mim:
 A mente e batota injusta.

Nessa sensação anónima, penso cá indefesamente nua
Que: Urge-me o exercitar da disciplina!
A prudência que exorta-me a moderação.
Com isso capaz que consiga pouco a pouco amealhar a
sabedoria de escolher:
Quando/ Como/ Onde/ Por que/ Com quem
Podem dar-me um mero sinal de argumentos aceitáveis.
Se é que nessa dimensão estranha de mim em mim exista
de facto o que chamam de vida, na maioria das vezes
subtilmente tenha dúvidas

Blasé ou não, a vida não foi feita
para fastios e indiferenças, pois o invisível
silenciosamente, fala tão alto que ensurdece e cega.


Ronilda David/Loubah Sofia - Alma Feita De Ti