Avançar para o conteúdo principal

No Nevoeiro das Docas de Alcântara



Sinceramente, ela não entendia o significado daquele silêncio súbito. Por mais voltas que desse à cabeça, não conseguia compreender. Não depois da última noite, em que os seus corpos se uniram num misto de paixão, desejo e ardor.
No entanto, não era apenas sexo. Não, havia ali algo mais. Uma coisa mais profunda, era amor também e ela sabia-o. Sabia-o pelos beijos, pelo olhar quente que lhe era retribuído com a mesma intensidade. Mais do que isso, ela sentia-o.
Que noite louca, o inesperado acontecera. As saudades tinham derrubado barreiras, ultrapassado obstáculos e o amor vencera.
Bocas que se beijavam, corpos que se envolviam num tango apaixonado, ardente e intenso. Frêmito do seu corpo no dela, a urgência de consumir a paixão e assim uniram-se em apenas um ser, matando os Egos.
Num enlace de braços e pernas adormeceram, com um sorriso de alegria e felicidade. Sonho realizado.
Mas ao raiar da aurora, as sombras desvanecem-se e a noite dá lugar ao dia. Acorda com o brilho do sol nos seus olhos e a brisa fresca da manhã, provocando um arrepio no seu corpo. Abre os olhos meio incomodada, encontrando-se sozinha. Outra vez...
Uma sms chega ao seu telemóvel dizendo: "Nas Docas de Alcântara, às 18h53. Amo-te. Para sempre." Ela sorri, feliz.
Nas Docas de Alcântara, ela chega à hora marcada. Como aquelas 8h custaram a passar! A ansiedade não a deixara sossegada nem por um minuto, o dia no trabalho não lhe tinha rendido nada. Estava eufórica, dispersa e com um brilho diferente no olhar. Assim, notaram Artur e Gabriela.
- Estás diferente! - Disse Artur, surpreso.
- É verdade, mais bem-humorada! - Notou Gabriela.
- Humm, há mouro na costa! - Tentou adivinhar Artur, mas ela apenas limitou-se a sorrir e não satisfez a curiosidade dos colegas.
Nas docas passeava, observando a paisagem. O Cristo Rei, ao fundo na outra margem como que abençoando o seu amor. Estava frio, o sol de inverno desaparecera no horizonte. Entrou no restaurante e procurou a mesa onde jantavam, sempre que se encontravam. Este lugar era especial.
Pediu um chá quentinho e esperou, atenta ao telemóvel que depositou sobre a mesa, não fosse este tocar e ela não ouvir. Bebericou o chá devagar, toda esperançada. Olhou as horas e passavam 30 minutos, após a hora marcada. "Atrasou-se no trânsito.", pensou já menos animada e meio amedrontada com a possibilidade de ter levado uma tampa. Para afastar os maus pensamentos, ligou o Facebook no smartphone para se inteirar das publicações dos amigos e divertir-se. Ao menos, estaria distraída e não daria lugar ao pessimismo. Porém, nas publicações recentes havia uma foto que lhe chamou a atenção imediatamente. Um anel de noivado com alguns comentários de felicitações de amigos e o "SIM", escrito em letras maiúsculas, da pessoa amada, por quem ela esperava havia agora uma hora.
Uma lágrima caiu, rolando pelo seu rosto abaixo. Eis o motivo do atraso e o porquê do silêncio. Limpou as lágrimas do rosto, ligou para a pessoa amada e a chamada foi diretamente para a caixa postal. Telefone desligado. Desligou. Estavam juntos. Pagou a conta e desiludida, de coração dilacerado saiu pela imensidão da noite em direcção ao Tejo desaparecendo no nevoeiro.


FIM













Cris Henriques,
Barreiro, Portugal
Autora do blog
O que o meu coração diz
Visite!

Mensagens populares deste blogue

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


O Poema que não consegui escrever

Para Ti, o que podia ser um Poema
Para Ti e por Ti, tento ser poeta. Mas, nessa vã tentativa, tolamente só alcanço voar em asas infinitas,
seguindo para além do eterno, respirando ao som de lágrimas protegidas pela esperança: De mais um abraço apertado e mais um longo e doce beijo Sabe... Gostava de ser Poeta como Tu, somente para ter o poder de falar do meu coração direitinho apontado ao teu, mas a minha tentativa é tão tola - Pois sei que esse meu escrever de poeta nada tem, além de seguir em dor pela constância da madrugada, tecendo dentro do meu coração o mais perfeito da tua alma amada num receio de perder o fio do que em mim parece ser inteligência.
Porque amando-te meu Anjo, eu...queria ser poeta singela como as flores, Cálida como o amanhecer, terna como o teu sorriso. Porém terei de enfrentar a dura realidade aceitando contente, como uma pobre agradecida, a escassa esmola em aqui, ficar - Sentindo-te, olhando-te  apaixonada, entregue ao deleite do encanto e à saudade que sempre mo…