.

Música de fundo



quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O Silêncio Do Palhaço E A Cegueira Da Bailarina -The Silent Clown EA Blindness Ballerina





Ela a bailarina cega e sem pés
Movia as mãos suavemente ao encontro
daquele rosto que tão bem conhecia e amava.
O mundo via Nele a cara do palhaço
O nariz vermelho, os olhos tristes, apontando
o sorriso desmaiado, em lábios que nunca mais soube
pronunciar a última palavra.

Eram descartáveis,dispensáveis,incômodos.
Bizarros, segundo as leis do tacitamente correcto.

Ele o som do silêncio
Ela a imagem da cegueira
Ele exilado da humanidade
Ela expulsa do sonho
Ele um valente sem espada
Ela...
Ó quem era ela senão o eco
d'um ballet despedaçado?
Eles...
A Bailarina e o palhaço
fantasmas em turbilhões de movimento
Vagavam por entre as ruas escondidas
da cidade,perdiam-se pelas estradas
mortas.
Ela cega e sem pés carregada
pelo laços Dele o coração
Presa na força da sua memória
Vivia pelo pincelar que ecoava translúcido
Dele, o riso de margaridas e fumo de baunilha
Dela a tradução da poesia sem palavras
Assinando por repudio,entre as lágrimas das calçadas
o assassinato da melodia de todos os nomes 
que bebiam a sede da saudade.

Um dia...
A Bailarina tombou desfalecida
Ele no pavor da solidão
Cai para o lado do abismo
Seu grito
A despertou 
Das mãos fez-se os pés!
E...
Na ponta dos pés que não existiam
Ergue-se e atira-se
Para a luz da voz amada
Naquele segundo
No ar...
Entre o céu e o abismo
A voz Dele a fez 
pela última vez dançar

Abraçados...Por fora do adeus desconhecido
Finalmente descortinaram, que era ali naquele agora
 que estavam voltando para casa. 

...

Um miúdo que passava viu o acontecido
e gritou a plenos pulmões:

O Palhaço e a Bailarina
Agora são passarinhos!
Vejam!!
Lá está a origem do céu,onde a piada
é rir do que não tem lógica,
e ser feliz sem motivo algum.

O Populacho acudiu...pasmado:

Quem viu o espetáculo no abismo
e ouviu o menino,percebeu que por algum motivo,
tinham o privilégio de assistir o nascer fugaz daquilo que chamam
de:

MILAGRE.



Nota:

No aparente fim para dançar, os pés são desnecessários.
Para falar a voz não importa.
Para ver nem sempre os olhos são capazes.
O que realmente é valido:
É a capacidade de ser fiel e leal com a humildade
daquele que sabe que sua a vida sem a do outro 
é sem sentido,vazia, mas mesmo  assim honra o legado
da ausência.
Consciente de que nem sempre a filosofia alcança a verdade
das respostas do mistério do que dizem do que pensam ser:
Amor.
Amar verdadeiramente não é para qualquer um
nem para quem quer.



Ronilda David/Loubah Sofia - Alma Feita De Ti 
http://refugio-origens.blogspot.com.br/2013/11/oferta-de-amor.html

TODAS as Imagens: Google