Avançar para o conteúdo principal

O “Refúgio” Da Tua Escrita




Caríssimo amigo Hélder.

Eu vejo, no teu texto, não um “Refúgio”, mas dois “Refúgios”.
A TUA ESCRITA COMO REFÚGIO E O REFÚGIO DA TUA ESCRITA.
Passo a explicar:
O “REFÚGIO” DA TUA ESCRITA:
O teu “Refugio” é uma história apaixonante, onde a qualidade literária não é importante, nem se exige, porque és tão virtuoso na linguagem, na capacidade narrativa comandada pela imagem e interacção, que o imaginário nos fixa de imediato.
Parabéns. Gostei muito.
Todavia, todos sabemos quem é aquele Fernando. Raramente conseguimos escapar e não retratar um pouco de nós. (os autores ocultam muito pouco) e esse espaço de nós, é muito visível nas nossas histórias. Isso é bom.
Daí a importância que se coloque em papel, este e outros “refúgios”, (porque a memória acabará por nos trair mais tarde ou mais cedo), de forma a torná-los acessíveis para as gerações vindouras

A TUA ESCRITA COMO “REFÚGIO”
O que nos leva a escrever um texto que tem gravados imaginários e referencias absolutamente pessoais?
É um método que utilizamos para combater e suplantar a dor.
Escolhemos, por isso, escrever, numa tentativa de libertar, perceber ou aprender a lidar com algo que nos perturba, intriga, provoca, ou fascina. A forma pode ser fragmentada, barroca ou rebuscada, mas o fundamento é sempre refugiarmo-nos na escrita, fazendo dela o nosso “Refúgio”.

Um grande abraço com amizade, incondicional.
E saudações literárias.


 Blogger Alice Ruivo 
escritora, poetisa

Disponível em nossa livraria Online
Visite! 

Mensagens populares deste blogue

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de solidões vis. Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬