.

Música de fundo



quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

AUSENCIA





                                                                    

Naquela ponta de terra, mar adentro
olho o infinito:
a nossa vida, a saudade, tanto tempo!
Sai  num grito.
Do longe, as musas  trazidas pelo vento,
fazem-me  proscrito,
prisioneiro de mim, do meu pensamento.
Estático fico.
Em diáfano manto, de ti  me  lembro
teu sorrir rico
a iluminar de branco o que contemplo
e que acredito,
embora intangivel será o meu templo
onde sempre medito:
ai, estendes as mãos, em breve momento.
De saudade sou mendigo.
esperando em vão, teu regresso, num lamento





                                                                 Hélder Gonçalves
                                                                     Fev. 2011