Avançar para o conteúdo principal

As Câmaras OcultaS Do Nosso privado Reality Show -Hidden cameras Of our private Reality Show






Já vai a madrugada longe da madorna...
E nessa solidão serena daqueles que docemente esperam,  penso entre a fragilidade desse frio que adentra  nos ossos dos passos cansados do tempo , quanto me faz imensa falta a ternura dos teus braços guardando-me dos medos  fundamentais e dos ilógicos que rodam sem permissão, esta minha mente tão indisciplinada e compulsivamente pensadora.
Ser-se humano é não racionalizar a inteligência das emoções e do degrau da memória seletiva, dos gestos subconscientes, na percentagem da máxima estimulada.
Suspiro e sorrio... Lembrando Voltaire ao escrever uma carta a Helvitus:
“(...) sempre haverá um grande número de tolos, e uma boa multidão de patifes. Mas os pensadores, mesmo em número pequeno, serão respeitados [..] Esteja certo que tão logo as pessoas de bem se unam, nada mais poderá detê-las. [...] Chegou o tempo em que homens como você devem triunfar[...] Afinal, nosso partido já vence o deles em matéria de boa educação."

Sim, sorrio por saber-me tão dentro de Ti profundamente entranhada no teu modo de estar na vida que moldou-me o cerne ,infantilizada tão tardiamente e oiço teu riso enroscado no fumo de  baunilha a sussurrar com ternuras o fundamento principal que asssegura, solidamente, o futuro do legado que trouxemos, lá de tão longe, algures dos nossos pais, estendendo,  mais adiante, do presente, aos filhos.
Desfilam, cada um, ao seu jeito único, diante dos meus olhos cansados, ecoando nos recantos da alma, as suas vozes e o brilho dos olhos compadecendo-me num amor penoso de zelo,em arrufos de carinhos e sacrifícios, tantas vezes tolos que, nem alguém, os pediu a não ser eu, de mim  mesma .
Nessa hora onde o silêncio redescobre os sons  de angulo e reta da história das palavras,apanho-me  com o peito arfando gratidão mesmo que exausto,mesmo que torto por lágrimas desamparadas,pois consciencioliso-me que, como tão bem me dizes- que fiz de cada passo firme ou cambaleante o caminho onde cheguei e adiante sei  que através das tuas mãos  ainda hei de continuar.  Percebo que mesmo entre atropelos, sustos,tombos e paradas trágicas, olhando para trás...admito que foi,é e continuará a ser ,um bonito caminho.
Um caminho humanizado entre o elo da família, os corações que se completam, desprendem-se e seguem contraria e acertadamente na escolha da independência guerreira.
Suspiro novamente,mentalizando teu descanso de pálpebras dos inocentes, respirando ao longe oxigenios de poesia e sonhos, remetidos de encontro ao meu espírito e assim percebo que vivi como deve ser  - correcta e adequadamente. Errando para acertar, caindo para se levantar,chorando para aprender a rir, perdendo para saber ganhar, ofertando para aprender a receber, seja lá o que for, sim... porque a bondade e a maldade são abstrações cuja relatividade é simples como a mais pura e primordial das equações da física e dos poemas matemáticos geridos pelas estrelas e nisso percebo que não há razão de ser a crença ingenua na vingança  mesquinha dos castigos da cama que se arranjam,no reflexo dos espelhos d’agua.
Tudo é uma dádiva,um privilégio - tudo é fugaz como o vento que visita nossa janela e o ar que foge por entre as trilhas das veias.
Lá vãos os dias, a frescura da pele entre as marcas das vivências escolhidas - lá se vão as horas entre a manta dividida, o pão repartido entre o gole de vinho e o som da poesia, a camélia que chove encarnadamente macia, a cair suavemente no chão, os cheiros da casa, alertando portas que se fecham devagarinho,  nos segredos das chaves que é nosso dever guardar
Nessa saudade amadurecida, nas confidências dos átomos do ar, abraço-te com toda força dos meus sentidos, por redescobrir que a verdade minha, tua, nossa  é de facto absoluta pela simplicidade da afirmação que nos reveste elegantemente como deve sempre assim ser.
Aplaudo –te por dares-me de beber as notas de Tchaikovsky  na taça cristalina dos teus ouvidos,por permitir-me brincar nos parques brancos e derrapantes de Dostoievski  e petiscar bocadinhos do sótão, vendo o luar esgueirando-se pelas janelas
Sem pontuação, descanso a pena e o coração em stand by ,até que poise a asa do relógio que conduz-nos  à vivência dum advindo calendário aberto espetacularmente, tal qual  o acto penúltimo  da peça que se escreve ,tu e eu, nas palmas das nossas mãos.





                                          Ronilda David/Loubah Sofia – Alma Feita De Ti




Mensagens populares deste blogue

SP – Sindicato dos Pobres

Hoje inscrevi-me no Sindicato dos Pobres
E dos Sem-Abrigo – Todos que sobrevivem
Na terra dos Párias – País da Democracia
Sem direito a voto – Cidadãos menos nobres
Contra o Estado - Patrões que tudo decidem
Luta pela melhoria da esmola – Ordem do Dia!
Quero memorizar a Carta dos Direitos Humanos
Aprender bem o significado da palavra Hipocrisia
Que direitos poderia ter se a Justiça funcionasse
Parlamento, Deputados - Tempo dos Romanos
Aqueles que se servem e aproveitam da Democracia
O vil dinheiro – Uma força que tudo isto alterasse.
Quero ir para a rua, descalço – esfarrapado
Com a plebe esfomeada e esquecida protestar
Cartazes - Palavras de ordem – Quanto baste
Punhos cerrados – Gritar, gritar não ficar calado
Contra os Algozes – Os Pilatos, a não quererem mudar
A riqueza, o conforto - Que deles jamais se afaste!


Hélder Gonçalves
Agosto 2016


Comentários João Francisco Lima Santos Bom dia!🌅
Helder Fernando Gonçalves BOM DIA a todos os sindicalistas do SP (Rsos!)
João Francisco Lim…

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!