.

Música de fundo



domingo, 1 de dezembro de 2013

PRECONCEITO










Tu – meu velho amigo,
Por amizade aconselhaste
Conceitos a seguir na vida,
Depois decidiste  e julgaste,
Por não concordar contigo,
Em verdades logo à partida 

Tu – Meu velho amigo
Com teus valores, criticaste:
Aquilo que não estaria certo,
O que para mim seria perigo,
Então as costas voltaste
Por entenderes o mais correto

Tu – meu velho amigo:
Assim pensaste e entendeste.
A porta  sem respeito fechaste:
Então pensei para comigo-
Com tal atitude me ofendeste
Rudeza no trato - Quanto baste

Tu – meu velho amigo:
Não entendeste  e atinaste
Que amar será sempre uma prova
Em teu ver-Aberrante, sem sentido,
Caminho certo para o desastre,
Amor de velho por mulher nova

Tu – meu velho amigo:
Respeito bem o teu pensar-
Cada um da vida o seu conceito.
Lamento – Não estarei   contigo.
Conjungarei sempre o verbo amar.
Em ti, não entendo tal preconceito!

Seguirei sempre livre, meu caminho,
Jamais fecharei meu coração -
Dos meus erros retiro  ensinamentos,
Mesmo sem ninguém seguirei sozinho:
Porque a vida até ao fim é uma lição,
Nela deambular, juntam-se sofrimentos


Hélder Gonçalves/Docarmo
Novembro 2013