Avançar para o conteúdo principal

O Coro Dos Escravos.Uma Declaração Dirigida Aos Políticos -The Choir Of Escravos.Uma Led To Political Declaration -Il coro della Escravos.Uma ha portato alla dichiarazione politica





CAROS AMIGO(A)S ASSISTAM O VÍDEO ATÉ O FINAL. É BELÍSSIMO 

MOMENTO DRAMÁTICO NA ÓPERA DE ROMA


No dia 12 de março de 2011, a Itália festejava os 150 anos da sua
unificação, ocasião em que a Ópera de Roma apresentou a ópera Nabuco de
Verdi, símbolo da unificação do país, que invoca a escravidão dos Judeus na
Babilónia, uma obra não só musical mas, também, política à época em que a
Itália estava sujeita ao império dos Habsburgos (1840).

Sylvio Berlusconi assistia, pessoalmente, à apresentação, que era
dirigida pelo maestro Ricardo Mutti.

Antes da apresentação o prefeito de Roma, Gianni Alemanno ? ex-ministro do
governo Berlusconi, discursou, protestando contra os cortes nas verbas da
cultura, o que contribuiu para politizar o evento.
Como Mutti declararia à TIME, houve, logo de início, uma ovação incomum,
clima que se transformou numa atmosfera de tensão quando se iniciaram os
acordes do coral «Va pensiero» o famoso hino contra a dominação.

«Há situações que não se podem descrever, mas apenas sentir; o silêncio
absoluto do público, na expectativa do hino; clima que se transforma em
fervor aos primeiros acordes do mesmo; a reação visceral do público quando o
coro entoa ? ?Ó minha pátria, tão bela e perdida?».

Ao terminar o hino os aplausos da platéia interrompem a ópera e o público
manifestou-se com gritos de «bis», « viva Itália», «viva Verdi». Das
galerias são lançados papéis com mensagens políticas.

Não sendo usual bisar durante uma ópera, e embora Mutti já o tenha feito uma
vez em 1986, no teatro La Scala de Milão, o maestro hesitou.
Dado que o público já havia revelado o seu sentimento patriótico, o maestro
voltou-se no púlpito e encarou o público e o próprio Berlusconi.
Fazendo-se silêncio, pronunciou-se da seguinte forma, e reagindo a um grito
de «longa vida à Itália» disse:
RICCARDO MUTTI: «........Sim, longa vida à Itália mas ... [aplausos]. Já não
tenho 30 anos e já vivi a minha vida, mas como um italiano que percorreu o
mundo, tenho muita mágoa do que se passa no meu país. Portanto aquiesço ao
vosso pedido de bis para o Va Pensiero. Isto não se deve apenas à alegria
patriótica que senti em todos, mas porque nesta noite, enquanto eu dirigia o
coro que cantava ?Ó meu pais, belo e perdido?, eu pensava que, a
continuarmos assim, mataremos a cultura sobre a qual assenta a história da
Itália. Neste caso, a nossa pátria, será verdadeiramente ?bela e perdida.
(aplausos retumbantes, incluindo os dos artistas em palco) Reina aqui um
?clima italiano?; eu, Mutti, falei para surdos durante longos anos, gostaria
agora.... nós deveríamos dar sentido à este canto; como estamos em nossa
casa, o teatro da capital, e com um coro que cantou magnificamente, e que é
magnificamente acompanhado, se for de vosso agrado, proponho que todos se
juntem a nós para cantarmos juntos.... "A tempo"...»

Foi assim que Mutti convidou o público a cantar o Coro dos Escravos.

O público levantou-se. Toda a ópera de Roma se levantou... O coro também se
levantou. Foi um momento magnífico na ópera! Vê-se, também, o pranto
dos artistas.

Aquela noite não foi apenas uma apresentação do Nabuco mas, sobretudo, uma
declaração do teatro da capital dirigida aos políticos.

AGORA, NÃO DEIXEM DE VER E OUVIR O VIDEO ABAIXO:
para isso faça: STOP no play de musica na caixa acima da postagem




EngºRui Manuel Alegrim 
Colaborador




Mensagens populares deste blogue

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!