Avançar para o conteúdo principal

♫ ♫ ♫Cantigas de Maio- Zeca Afonso -Portugal Beloved Son




"Eu fui ver o meu benzinho
Lá p'rós lados dum passal
Dei-lhe o meu lenço de linho
Que é do mais fino bragal
Eu fui ver uma donzela
Numa barquinha a dormir
Dei-lhe uma colcha de seda
Para nela se cobrir
Eu fui ver uma solteira
Numa salinha a fiar
Dei-lhe uma rosa vermelha
Para de mim se escantar
Eu fui ver a minha amada
Lá nos campos eu fui ver
Dei-lhe uma rosa encarnada
Para de mim se prender
Verdes prados, verdes campos
Onde está minha paixão
As andorinhas não param
Umas voltam outras não

Refrão:
Minha mãe quando eu morrer
Ai chore por quem muito amargou
Para então dizer ao mundo
Ai Deus mo deu Ai Deus mo levou"




 

No Natal de 1971, Cantigas do Maio caía no sapatinho dos portugueses. Era um novo Zeca, ainda com Bóris a acompanhá-lo mas com uma encenação musical inovadora de José Mário. À viola e guitarra tradicionais, José Mário associou trompete, flauta, acordeão, piano e percussões diversas que revelam definitivamente a grandeza do poeta-cantor José Afonso. Este álbum, com todas as suas canções, é um ponto altíssimo na carreira do cantor.O aparecimento deste álbum coincide com a revelação ou confirmação de novos cantores como Manuel Freire, José Jorge Letria, Francisco Fanhais, Sérgio Godinho, Luis Cília, Fausto, Vitorino, Júlio Pereira e Janita Salomé. Este grupo heterogéneo e diferenciado comunga de um mesmo propósito: José Afonso como alargamento das expressões de música popular portugues..

Imagerm Google

Mensagens populares deste blogue

SP – Sindicato dos Pobres

Hoje inscrevi-me no Sindicato dos Pobres
E dos Sem-Abrigo – Todos que sobrevivem
Na terra dos Párias – País da Democracia
Sem direito a voto – Cidadãos menos nobres
Contra o Estado - Patrões que tudo decidem
Luta pela melhoria da esmola – Ordem do Dia!
Quero memorizar a Carta dos Direitos Humanos
Aprender bem o significado da palavra Hipocrisia
Que direitos poderia ter se a Justiça funcionasse
Parlamento, Deputados - Tempo dos Romanos
Aqueles que se servem e aproveitam da Democracia
O vil dinheiro – Uma força que tudo isto alterasse.
Quero ir para a rua, descalço – esfarrapado
Com a plebe esfomeada e esquecida protestar
Cartazes - Palavras de ordem – Quanto baste
Punhos cerrados – Gritar, gritar não ficar calado
Contra os Algozes – Os Pilatos, a não quererem mudar
A riqueza, o conforto - Que deles jamais se afaste!


Hélder Gonçalves
Agosto 2016


Comentários João Francisco Lima Santos Bom dia!🌅
Helder Fernando Gonçalves BOM DIA a todos os sindicalistas do SP (Rsos!)
João Francisco Lim…

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!