Avançar para o conteúdo principal

♫ ♫ ♫ Carlos Paião -Portugal feels you Miss

“Quando as nuvens chorarem”





Carlos Paião nasceu em 1 de Novembro de 1957 na cidade de Coimbra.
Licenciou-se em Medicina corria o ano de 1983, no entanto por ter decidido abraçar a carreira musical, a carreira de médico ficou para trás.
Muito cedo os dotes de letrista se manifestaram, no ano de 1978 já contava no seu curriculum mais de duzentas canções.
Corria o ano de 1981 quando o cantor decide enviar algumas destas letras para concorrer ao Festival RTP da Canção. A música escolhida foi o famoso “Playback”, quem não se lembra desta canção, que apesar de contar já com alguns anos, continua tão actual. Enquanto que em Portugal esta canção fazia as delícias de todos, no Festival da Eurovisão (realizado nesse ano em Dublin), a mesma não passou do penúltimo lugar.
Nesse mesmo ano Paião lança ainda o single “Pó de arroz”, existem ainda outras canções da mesma época que tem muito sucesso tais como “Marcha do Pião das Nicas”.
Carlos Paião deu o seu contributo em vários programas televisivos, Foguete com António Sala e Luís Arriaga é apenas um desses exemplos.
As canções que o humorista Herman José cantava, dando asas ao seu Serafim Saudade, foram escritas por Paião.
Existe ainda outros temas interpretados por Herman José tais como a “Canção do Beijinho”, “Saca o Saca-Rolhas”. Amália Rodrigues também imortalizou “O Senhor Extra-Terrestre”.
No ano de 1983 Paião em dueto com Cândida Branca Flor, levam ao Festival da Canção “Vinho do Porto”, dessa vez ficou em terceiro lugar, mas a mesma canção voltou a concorrer desta vez em 1985 no World Popular Song Festival of Tóquio), e foi uma das dezoito seleccionadas entre cerca de 2000 canções que representavam 58 países.
Cândida Branca Flor também obteve êxitos na sua carreira com letras de Carlos Paião, exemplo disso é a canção “Trocas e Baldrocas”.
No ano de 1986 a canção “Bamos lá, Cambada” interpretada por Herman José na personagem “José Esteves” também foi obra de Carlos Paião.
A 26 de Agosto de 1988, Carlos Pião estava a caminho de mais um espectáculo em Leiria, que não viria a concretizar, pois um acidente de viação colheu a vida ao malogrado cantor, deixando para trás um mito e um país que ainda hoje se emociona sempre que ouve a sua voz.
Nessa altura estava a preparar o álbum Intervalo, o mesmo foi editado em Setembro, a música “Quando as nuvens chorarem” foi o tema que obteve mais sucesso.

Estes dados foram retirados da biografia do cantor no Instituto Camões (Isabel Margarida Fernandes) e também do site da Wikipédia).
.

Mensagens populares deste blogue

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!