Avançar para o conteúdo principal

O Príncipe, O Oceano e O Som




...O Príncipe Fernando olhava ao longe as vagas do oceano,seus pés descalços, deixavam atrás de si, solitárias pegadas, como se na espuma branca que bailavam na areia daquela praia deserta, contassem suas dores, o mapa de suas lágrimas secretas.
Ele seguia naquela trilha, altivo, as mãos enfiadas nas algibeiras das calças e a sua frente, em seus infortúnios toda sua vida passava-se diante dos seus olhos, ao longe nas profundezas do seu coração partido, ouvia uma chamado fino e suave, mas não atinava d’onde vinha aquele som, mas a medida que o sol pintava o céu em fúscias e fogo, ele sentia que aquele som, era uma promessa d’algo que a muito ele ansiava, desejava com todas as forças do seu espírito.
Não tinha forma, não tinha traços, não existia uma imagem sólida, consciente a qual pudesse apegar-se, mas entretanto era uma presença viva e latente, uma presença que pouco a pouco o envolvia de ternuras macias, d’uma quentura que aconchega-lhe o frio da solidão.
Parou um bocadinho, cerrou os olhos meigos e inteligentes, pescou do meio da areia uma pequenina pedra em forma curiosa de coração, um sorriso nasceu-lhe nos lábios, movendo o bigode garboso, ele sentiu que aquela pedrinha, era um sinal, um prenúncio d’algo de muito bom e real que lhe ia acontecer.
De repente riu-se, sentindo feliz como a muito não sentia-se e tal qual um jovem rapaz, caminhou apressado de volta para casa, pois já sabia onde que ia encontrar a morada daquele som...
Lá na caixa mágica das missivas, estava a fonte do segredo, estava o rosto daquela presença de ternuras que cantava-lhe a promessa eterna de vida e amor.
E seguiu confiante, bem disposto, cantarolando um fado de Coimbra e seus fieis Amigos, a cadelinha, o papagaio e o gato, seguiam-lhes os passos, pressentindo que algo na tristeza do seu dono estava mudando de rumo.
Mais um bocadinho a frente parou, olhou outra vez as vagas do oceano e atento ouviu:
O  som mavioso como um fio doiro... Ele soprou um beijo na ponta dos dedos e com os olhos rasos d’agua murmurou:


- Já estou chegando Meu Amor... Já estou chegando... I LOVE YOU...


I LOVE YOU FOREVER.

Loubah Sofia - Alma Feita De Ti

In ensaio sob - As Origens Do Réfugio 
Fotografia: Arquivo Pessoal

Mensagens populares deste blogue

SP – Sindicato dos Pobres

Hoje inscrevi-me no Sindicato dos Pobres
E dos Sem-Abrigo – Todos que sobrevivem
Na terra dos Párias – País da Democracia
Sem direito a voto – Cidadãos menos nobres
Contra o Estado - Patrões que tudo decidem
Luta pela melhoria da esmola – Ordem do Dia!
Quero memorizar a Carta dos Direitos Humanos
Aprender bem o significado da palavra Hipocrisia
Que direitos poderia ter se a Justiça funcionasse
Parlamento, Deputados - Tempo dos Romanos
Aqueles que se servem e aproveitam da Democracia
O vil dinheiro – Uma força que tudo isto alterasse.
Quero ir para a rua, descalço – esfarrapado
Com a plebe esfomeada e esquecida protestar
Cartazes - Palavras de ordem – Quanto baste
Punhos cerrados – Gritar, gritar não ficar calado
Contra os Algozes – Os Pilatos, a não quererem mudar
A riqueza, o conforto - Que deles jamais se afaste!


Hélder Gonçalves
Agosto 2016


Comentários João Francisco Lima Santos Bom dia!🌅
Helder Fernando Gonçalves BOM DIA a todos os sindicalistas do SP (Rsos!)
João Francisco Lim…

Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!