Avançar para o conteúdo principal

No Confronto Do BEM E Do MAL





As dicotomias da vida, estão bem definidas
no confronto do BEM e do MAL e do ressurgimento
de outra vida.
Revejo-me no pressuposto que:
Quando batemos no chão, e nada mais temos onde
nos agarrar, sem a mão estendida que nos ajude,
ainda pode existir um lampejo de esperança
Uma pequena luz que nos indique o caminho
A forma como nos podemos erguer.
Aconteceu comigo: então, aí, surge outro "EU",
bem diferente daquele que estava caído,
exausto,desprendido,desiludido,com a alma seca
que nem um deserto!
Esse outro "EU”, nasce diferente, mais forte,
bem curtido pela dor.
O seu olhar torna-se mais abrangente por tudo
o que anteriormente não queria ver - de repente,
dentro de si, instala-se :
Uma paz
Uma serenidade
Uma receptividade superior em ouvir, escutar atentamente,
desculpar o que anteriormente lhe parecia imperdoável.
Sim...
Quando descemos até ao último degrau e por qualquer
razão imperceptível,saímos do aterro
A nossa alma fica temperada, desnuda da roupagem
em que se encobria, para dar lugar à nudez:
Da virtude
Da tolerância
Da valorização das prioridades.
Aprendermos a viver com nós próprios.
Ouvindo melhor a voz dos nossos sentimentos,
gerindo o nosso tempo, dando valor a cada
minuto que passa.
Amar, amar sempre, continuar a amar mesmo
o impossível
Enternecer-se até às lágrimas pela canção
que escuta
Pelo admirar do Belo
Pelo beijo dos amantes
Pela solitária contemplação de um por do sol
Pelos silêncios
Pela fiel companheira:
A sua infinita e doce Tristeza!
Do que vale a vida sem um pouco de aventura?
Sem a ousadia de entrarmos, por vezes, no desconhecido, termos a coragem de nos desnudarmos, tal como somos, sem pensarmos no que estão pensando de nós.
Avançar, por vezes, sem a certeza que dê certo, com a nossa determinação de estarmos seguindo simplesmente a nossa intuição, o nosso caminho, indiferente às críticas daqueles que nada arriscam, nas suas confortáveis poltronas.
Afrontarmos aqueles que estão sempre certinhos naquilo que fazem, remetendo-se, unicamente, ao lugar de espectadores, espectadores daqueles que no palco
da vida, exibem a dança, pelo simples facto de quererem dançar.
Repito:

As dicotomias da vida, estão bem definidas
no confronto do BEM e do MAL e do ressurgimento
de outra vida.
 

Hélder Gonçalves


Dissertação de leitura critica e dinâmica
Da obra:
Serpentes Das Guerras Na Vida A Fé

Fotografia:nossa

Mensagens populares deste blogue

O Poema que não consegui escrever

Para Ti, o que podia ser um Poema
Para Ti e por Ti, tento ser poeta. Mas, nessa vã tentativa, tolamente só alcanço voar em asas infinitas,
seguindo para além do eterno, respirando ao som de lágrimas protegidas pela esperança: De mais um abraço apertado e mais um longo e doce beijo Sabe... Gostava de ser Poeta como Tu, somente para ter o poder de falar do meu coração direitinho apontado ao teu, mas a minha tentativa é tão tola - Pois sei que esse meu escrever de poeta nada tem, além de seguir em dor pela constância da madrugada, tecendo dentro do meu coração o mais perfeito da tua alma amada num receio de perder o fio do que em mim parece ser inteligência.
Porque amando-te meu Anjo, eu...queria ser poeta singela como as flores, Cálida como o amanhecer, terna como o teu sorriso. Porém terei de enfrentar a dura realidade aceitando contente, como uma pobre agradecida, a escassa esmola em aqui, ficar - Sentindo-te, olhando-te  apaixonada, entregue ao deleite do encanto e à saudade que sempre mo…

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬