Avançar para o conteúdo principal

Rui Alegrim sobre o Livro O Refúgio

Comentário de Rui Alegrim

Esta é uma história clássica que reflete, na sua autenticidade, uma enorme riqueza da natureza humana! gostei muito de a ler, sem qualquer "cansaço"!
Ao autor, que não é escritor, dou - por isso mesmo - um grande abraço de parabéns!
Podia ficar por aqui, visto não ser crítico literário, mas - também por isso mesmo - apetece-me dizer mais alguma coisa!...
No plano formal, gostei da maneira factual como a narrativa é conduzida: fluente harmoniosa, autêntica, bem encadeada, com uma oportuna articulação com o tronco principal da história, de situações e ambientes retratando aspectos e comportamentos da vida que se vivia na época.
Quanto à substância, apreciei, sobretudo, a discreta consagração do lado nobre da natureza humana, despertado inesperadamente, neste caso,por valores superiores - simplicidade, frescura, juventude e, mais tarde, fortalecido pela firmeza de uma personalidade ainda intacta! Despertar esse, a sobrepor-se vitoriosamente a uma situação de grande envolvimento mútuo! Situação, de princípio, criada a partir dum misto de curiosidade e sedução, tornado gradualmente fortemente apelativo e dominador! Mas o que estava em jogo era, acima de tudo, uma forte atração de índole sexual, espevitada, talvez, pela surpresa da sua rápida consumação! mas que, com o decorrer do tempo, se foi, de certo modo fortalecendo por um estimulante bom entendimento, por uma entrega mútua vibrante e sentida, valorizada por uma boa dose de elevação mental e até sentimental! Mas não chegou! Venceu a simplicidade, a frescura, a juventude!
Venceu o AMOR!

Rui Alegrim (primo, afilhado, compadre e ... amigo!)
21.04.2011

Mensagens populares deste blogue

O Poema que não consegui escrever

Para Ti, o que podia ser um Poema
Para Ti e por Ti, tento ser poeta. Mas, nessa vã tentativa, tolamente só alcanço voar em asas infinitas,
seguindo para além do eterno, respirando ao som de lágrimas protegidas pela esperança: De mais um abraço apertado e mais um longo e doce beijo Sabe... Gostava de ser Poeta como Tu, somente para ter o poder de falar do meu coração direitinho apontado ao teu, mas a minha tentativa é tão tola - Pois sei que esse meu escrever de poeta nada tem, além de seguir em dor pela constância da madrugada, tecendo dentro do meu coração o mais perfeito da tua alma amada num receio de perder o fio do que em mim parece ser inteligência.
Porque amando-te meu Anjo, eu...queria ser poeta singela como as flores, Cálida como o amanhecer, terna como o teu sorriso. Porém terei de enfrentar a dura realidade aceitando contente, como uma pobre agradecida, a escassa esmola em aqui, ficar - Sentindo-te, olhando-te  apaixonada, entregue ao deleite do encanto e à saudade que sempre mo…

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


Eu Sou Feita De Pedaços De Espelhos - por RONILDA DAVID

Eu Sou Feita De Pedaços De Espelhos
Sabe… Eu sou feita de cacos de vidro Entre eles há espelhos, aço, E pedacinhos de margaridas.
Por vezes machuco quando tento dar carinho.